Home   //   Playlist   //   Sobre o Blog   //   Contato

quarta-feira, 26 de março de 2014

Batalha de Bases!


Olá, pessoas! Meu nome é Gabrielle e sou a nova colaboradora deste lindo blog *.* Vou fazer resenhas de maquiagens pra vocês, tentado mostrar o máximo possível da minha opinião sobre cada produto, mas sempre lembrando que tudo depende da pele de cada um, e em cada pessoa a maquiagem vai ter um resultado diferente. 

Pra inaugurar esse espaço aqui no Closet fiz uma resenha/comparação entre duas bases para pele oleosa, uma um pouco mais cara, pra quem quer investir mesmo em algo ótimo, e a outra numa faixa de preço mais acessível, mas que mesmo assim tem uma qualidade excelente. 

Dior - DIORSKIN FOREVER x  Mary Kay - TIMEWISE MATTE


- Sobre a cobertura:

A base da Dior tem cobertura de média à pesada, vai cobrindo mais conforme a pessoa escolhe passar mais camadas, é bem sequinha e dispensa o pó em dias menos quentes, mas, no verão forte, é sempre bom prevenir e passar um pouco. 

A da Mary Kay tem praticamente a mesma cobertura, mas, pela foto, dá pra notar pela olheira, que não é tão pesada quanto a outra. Pra mim ela dispensa o pó completamente mesmo no calor, nesse quesito acho ela melhor!

Na primeira foto estou com a pele limpa, e na segunda estou com a base da Dior do lado esquerdo e a da Mary Kay do lado direito.


        Pareço sem roupa mas juro que estava de vestido :)       

- Sobre a duração:

Diorskin Forever: Como o nome "Forever" já diz, é uma base de longa duração, e eu achei que realmente ela dura o dia/noite toda intacta, não transfere e não derrete (ao menos na minha pele). Logo que eu passo sinto ela um tantinho úmida, mas é só esperar um minutinho que ela seca e fica!

Timewise: A duração também é ótima, logo que passa ela já seca, fica o dia todo na pele, mas não dura tanto quanto a da Dior. Se você pretende passar ela pela manhã e ficar o dia todo, é bom levar junto pra dar uma retocada depois de comer.

- Sobre a proteção solar:

A Diorskin Forever tem FPS 25, e eu penso que é isso que influencia para que ela não seja tão sequinha quanto a outra, mas muito melhor uma ótima proteção assim, né?!

A base da Mary Kay infelizmente não tem FPS, mas a gente sempre pode (e deve!) usar um protetor solar por baixo dela!

Abaixo o swatche da Timewise e da Diorskin Forever, nessa ordem :)


- Sobre as opções de cores:

A base da Dior tem 12 cores, a minha é a mais clara. Eu tive que encomendar de fora, porque infelizmente no Brasil só vende 5 cores, a partir da 020. E, particularmente, acho isso uma falta de respeito com a consumidora brasileira, afinal, somos de todas as cores, não é mesmo?!

Já a Timewise vem em lindas 17 tonalidades, a minha é a terceira mais clara, tendo antes dela a Ivory 03 e a Ivory 05 e a maioria das consultoras tem as mesmas, além  da pronta entrega pra pessoa provar e ver qual cor de adapta melhor, muito bom!

A consistência das duas é praticamente igual, liquida meio cremosa!

Então, é isso aí, gente! Espero que tenham gostado, foi minha primeira resenha e aceito criticas construtivas e sugestões! Beijos e até a próxima!

segunda-feira, 24 de março de 2014

Sobre cursar Design...


Durante o ensino médio, eu nunca fui daqueles que ficam na dúvida do que vai fazer quando o terceiro ano acabar. Quando terminei a minha oitava serie eu já sabia o que queria, e a partir do primeiro ano eu poderia começar a dedicar meus três anos de ensino médio para isso. Escolhi design porque simplesmente eu não me via fazendo outra coisa, eu sempre sonhei com o meio da moda, e eu sabia que o curso me abriria portas pra isso.

Atualmente eu estudo na UFPE (Universidade federal de Pernambuco) e, até agora, ainda tenho a certeza de estar no curso que eu sempre quis e depois de um ano cursando, mesmo sentindo e sabendo que ainda não sei tudo sobre o curso e sobre o que é estar na universidade, sinto que já sei o bastante pra passar as poucas, porém úteis, informações que que deu pra se adquirir nesse tempo.

- Sobre saber desenhar



Antes de tudo, se você é do time que escolheu o curso porque sabe desenhar (você não foi o primeiro e nem vai ser o último), mas ótimo, facilita e ajuda um bocado, mas essa habilidade pode ser menos útil do que você achou que seria. Por outro lado, já vi e vejo vários designers entrarem no mercado não só como designers, mas também como ilustradores, então, se você curte e tem talento, pode tentar se arriscar, mas lembre-se que você não vai sair da universidade como ilustrador (se você procura algo especifico para esse ramo, seu curso é outro).

Se você é do time só-sei-fazer-bonecos-de-palitinhos, isso não quer dizer que você vai ser um fracassado no curso, você não só consegue passar no vestibular sem ser um expert do desenho, como você também consegue terminar o curso, ter notas boas, ser um ótimo designer e quem sabe até sair do curso beeem melhor nos desenhos do que quando você entrou, já que você vai ter um monte de colegas que desenham pacas (experiência própria), o que acaba te motivando a praticar.

- Designer de que?



Design parece com medicina, não porque salvamos vidas (apesar de fazermos isso indiretamente), mas porque (como todo mundo sabe) podemos nos especializar na área que nos identificamos, tal como moda (EU!), gráfico, produto, superfícies, sobrancelhas (Mentira!)... E se você só sabe que quer ser designer, mas não sabe em qual área, não tem problema, muita gente faz a mesma coisa. E ainda tem aqueles que entram com uma área em mente, mas que mudam de plano porque acabam se identificando mais com outra.

- O que se estuda


Uma das coisas estranhas (que achei) no meu curso: Só temos cadeiras obrigatórias no primeiro semestre, que no caso foram: Fundamentos do desenho, Sistema de representação 2D (♥), sistema de representação 3D, história do design (ZzZzZz) e design contemporâneo. A partir do segundo, todas as cadeiras são eletivas e você monta sua grade de acordo com a área que você quer seguir. Ou seja, você só precisaria estudar o que fosse usar na sua área, certo?! Errado! Você vai ter pagar matérias de outras áreas pra completar seus eixos e o seu tempo mínimo no curso.

Prós:
- Você consegue experimentar um pouquinho de cada área, o que te ajuda na hora da sua escolha "definitiva".
- Você pode montar seu próprio horário de aula.
- Apesar de ser melhor você focar em apenas uma área (antes ser bom em uma do que fuleiro em três), você não precisa se prender a apenas uma.

Contras:
- Apesar das recomendações dos veteranos e professores, você sempre fica com um pé atrás nas cadeiras que vai escolher a partir do segundo semestre.
- É praticamente impossível que o curso seja ótimo em todas as áreas do design. No caso, a minha é boa pra quem quer design gráfico, mas deixa a desejar em todas as outras áreas.
- Rola um jogos vorazes na hora da matrícula, vários alunos de vários semestres disputando por uma mesma matéria, quem tiver o maior ranking (média das notas dos semestres anteriores) consegue, quem não consegue ou fica chupando o dedo, ou parte pra outra no período de modificação.

E já que o o foco do curso é a área de gráfico, você vai aprender sobre os programas (pacote Adobe, principalmente e quase unanimemente) na própria universidade, certo? Mais uma vez, errado! Você até pode aprender, mas vai ser porque a universidade te obriga a aprender na hora de fazer os trabalhos e não porque vai ter alguma cadeira específica para isso. Alguns alunos procuram cursos por fora com foco nesses programas, o que não foi o meu caso, o pouco que sei, aprendi fazendo (pesquisando, procurando tutoriais, pedindo ajuda aos coleguinhas...)

- Trabalhos e Provas



Realmente fazendo jus ao nome, os trabalhos são bem trabalhosos, desde o primeiro semestre, é tudo bem na prática, e por isso, a maioria dos professores não faz prova (até hoje só fiz uma), as notas são dadas com base nos trabalhos (e isso é ótimo, quando eu consigo fazer os trabalhos).

Qualquer outra dúvida, é só comentar!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...